quinta-feira, 23 de junho de 2016

CONTINUAR...

Hoje é especificamente um dia por obrigação de desejos de prosperidade. E, de alguma forma perante as atrocidades passadas, presentes e vindouras, se tenta maquiar a condição atual dos mais diversos seres espalhados, jogados ou alojados por ai a fora e confortar. Então, pensei em acordar diferente. Ter tamanho bel-prazer em fazer a barba, colocar aquela música para propagar-se pela casa com força, mesmo diante da limitação do volume do aparelho e a vontade de amplificar cada vez mais, contudo, fazer diferente e especial esse dia. Abrir a janela e apesar das nuvens gris cercarem o meu ambiente, sentir com intensidade o amanhecer. Mas, a mente do sujeito realmente é nociva.

Logo, lembro-me das obrigações. Não com o meu ser que pede e suplica por esse único dia, e sim, com os arredores de afeto. Lembro densamente da condição sociável de compartilhar, de congregar e por fim celebrar. Distribuir presentes também, contudo, esse dia deve ser um dia como outro, ou não? Para o meu momento, não. Então, o aparelho de cd quase finaliza sua sonoridade e a música presente e traduzida diz: “Seguindo em frente ou Continuar”. Sim! Esse é o anseio que esbarra sempre na dependência. Seja ela química ou emocional, cria instantes complexos de solidão profunda e por que nesse dia, em específico? Os holofotes comerciais ditam e estão centrados para essa finalidade. Porém, isso é clichê desterrado pelas dores do observar e careço seguir em frente. Então, busco alguns trechos da melodia gringa e a tradução sugerida digita isso: “É uma outra noite solitária;E uma outra cidade solitária;Mas eu não sou jovem o bastante para me preocupar;E eu não sou velho o bastante para chorar”.

Caracas, pra não dizer outra coisa, na mosca! A melodia gringa traduzia fielmente o meu estado de espírito, independente da tradução exata essas palavras eram as que faltavam. No entanto, de nada adianta saber, entender e perceber o que se passa. Há uma casta superior sempre a frente das ações e lá vai novamente a minha mente interpor entraves para a minha alegria momentânea. Sei eu da somatória de trechos da vivência que se acumulam nesse instante. É parcimônia paranoica coletada dia após dia de aflição, mas hoje tem que ser diferente.  Dessa forma dou alguns socos na cachola e a nova sintonia entra em fusão com a melodia gringa novamente. A música está acabando e o dia apenas começando. Preciso de um socorro. Abro a gaveta e a folha em branco com o lápis sobre ela, não curam como antes. Fecho com violência a gaveta. Puxo os cabelos e de frente ao espelho os olhos arregalados tentam marejar. Tolice! Isso não funciona mais. A face que procuro não é a mesma que compete com o espelho agora. Saio do lar.

 O volume não me alcança e limitado percebo novos sons desse dia. A música gringa nesse momento espalha o fúnebre sino. Sento, cruzo as pernas e a calma penetra profundamente. A mente inquietante dá a sua trégua e consigo criar o diferente. É um dessemelhante bizarro, contudo, o suficiente para conseguir, mesmo que por alguns instantes, seguir em frente e continuar um feliz dia, feliz natal, feliz seja o que for, mas que seja feliz hoje e sempre, ou por alguns momentos! Mas, seja...

JRA(o poeta da verdade).

2 comentários:

  1. Faço isso muito.....caso contrário seria muito difícil seguir a caminhada com serenidade e o peso da carga torna-se leve...linda a forma que expressou toda essa energia negativa........
    Ana Andrade

    ResponderExcluir
  2. Meu amigo poeta e bom José! Seguir em frente sempre, e não perder sua vivacidade nunca! Que a família sagrada seja a bênção de que necessita e luz para os seus passos nessa doce e amarga estrada da vida. Crescer sempre! Paz e bem meu amigo querido. Desejo que esse ano seja para você e o seu familiar um ano de prosperidade, e que todos os seus sonhos e desejos se concretizem, mas, que saiba antes como e porque desejar! Jesus é essa luz que te conduz! abraço especial da sua amiga sempre, Mângela.

    ResponderExcluir

Licença de direitos autorais(leia com atenção). Ao copiar textos, lembre de acrescentar os créditos. Licença Creative Commons
This work is licensed under a Creative Commons Attribution License.