domingo, 13 de novembro de 2011

LÂMINA TEZ

Créditos a autoria da imagem p/ - http://www.photoshopcreative.com.br/sobremim-15449/vasily.html


A guilhotina da cupidez,

Forjada pela lâmina do temor,

Transcreveu suas premissas lesivas no couro robusto do imbróglio sujeito cambes.

Aproveitou-se da tez macia e alvorecida, igualmente!

Uma vez que, a donzela do amanhecer, ainda é pudica e cândida na terra de matusalém...

Por onde andei?

Abastados e soberbos são aqueles que driblam o desejo primaveril,

Ofertando estratagema através de cânticos enriquecidos

De fábulas pitorescas da terra de ninguém...

Por onde andei?

Andei cansado, anestesiado e isolado pela primavera moura!

Observando silente a queda, a ida e a volta,

Da guilhotina locupletada pela promessa de fleuma ofertada pelo capital selvagem,

Ora pernicioso, ora calamitoso nos mais diversos e distantes,

Aléns!


JRA (o poeta da verdade).


Um comentário:

Licença de direitos autorais(leia com atenção). Ao copiar textos, lembre de acrescentar os créditos. Licença Creative Commons
This work is licensed under a Creative Commons Attribution License.