quarta-feira, 13 de outubro de 2010

DIÁLOGOS URBANOS


Da coleção " Diálogos Urbanos":

BATIUNFINU E CARETA em:

‘Na boca do lixo’


[careta] – ô Batiunfinu, olha lá! É o pescoço que tá devendo uma pedra pra gente...

[batiunfinu] – é hoje que o filha, dança. Prepara um fino rapidinho com pimenta-preta.

[careta] – Tá branco...

[narrador]Neste momento o camburão passa lentamente e o pescoço pica mula.

[careta] – Ih, sujo batiunfinu é os samangos. E, agora?

[batiunfinu] – Esse pescoço é um baita de um largo. Se livra dessa mérlim de uma vez, tongo!

[narrador]Careta não sabe o que fazer então engole o preparado pro pescoço e quando os samangos se aproximam, as lágrimas correm pela face do tipo.

[os samangos] – Olha só! Cadê a mercadoria, cambada?!

[narrador]O semblante roxo do careta, acrescido de náuseas, espalha a substância no coturno lustrado da autoridade. Batiunfinu pra tentar consertar a situação solta uma:

[batiunfinu] – esquenta não, patrão... Acontece.Lustro tá novo!

[narrador] E a solavancos e pontapés, a dupla desastrada vai pro xilindró explicar os pormenores.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Licença de direitos autorais(leia com atenção). Ao copiar textos, lembre de acrescentar os créditos. Licença Creative Commons
This work is licensed under a Creative Commons Attribution License.