quinta-feira, 3 de junho de 2010

ELEFANTE MATRICIAL


Ufa! Parece que novos ares e novos tempos percorrem a recepção do pronto socorro. Um gigante barulhento e obsoleto não é mais notado e, como era percebida a sua existência no momento da impressão de etiquetas, ainda mais sem um abafador apropriado incorporado ao equipamento.

É fato que a impressora por longa data persistiu ao processo de transformação. Trocou-se monitores, cpus e o sistema de cadastro modificou-se. Por que não houve a troca perante a ocasião? Uma vez que, o montante de etiquetas malbaratadas era abissal?Os questionamentos podem gerar muitas réplicas e nesta altura dos acontecimentos o importante é comemorar. No entanto, algo na mente resgata a leitura da crônica do Sabino de nome “minha nova namorada”, apenas leitura, já que a finada impressora nunca foi bem quista. O escritor diante da inspiração expressa sua nova aventura amorosa a compor suas obras, conforme o diminuto trecho que resgato a seguir:

“Pois agora aqui estou, pronto a me passar para algo mais sério, iniciar uma nova aventura amorosa.” Era o arquivamento da máquina de escrever, e o surgimento do computador a deslumbrar o escriba. Sei que a comparação é enfadonha, pois uma instituição atilada e voltada a otimizar os processos corporativos do novo século, irá contemplar os resultados alcançados de outra maneira, e os questionamentos acima dessa forma ficam sucumbidos, feito animal de grande porte em extinção. Extinção? Ah, sim! Um vocábulo citado no título fomenta o mote, pois a coqueluche em voga é a tal sustentabilidade. Mas o ambiente do paquiderme é notado em outras paragens?

Concordo, mas o equipamento criou laços, virou quase patrimônio histórico, irritou por longa data e algo deve ser retratado em palavras para constar o registro, pois assim é a história. Ah, pare sujeito... trata-se de uma impressora que agora é substituída, e seu habitat natural agora é arquivo morto. Entenda que tudo é substituível, efêmero e assim caminha o homem moderno com sua pressa. Mas o elefante entra aonde neste chinfrim?

Como é difícil driblar a consciência, mas dou o braço a torcer e digo o seguinte: A batalha por sobrevivência somente é notada conforme o desequilíbrio gerado. O paquiderme segue livre pela savana e mesmo sendo abatido sem controle, por deter o marfim precioso, até segunda ordem continuará presente por lá! Até que a selva capitalista consiga elaborar uma forma de apropriar-se de mais esta fatia de inocência, transformando e arquivando sua existência sem registro, ponto final

JRA(o poeta da verdade)


“O que mais pesa em cima de um travesseiro é a consciência.” (Leon Eliachar).

2 comentários:

  1. Gostei muito da lembrança de Sabino e esse texto virou prova dos meus alunos. Acho que é de lá que veio essa lembrança, porque me lembro de tê-la mostrado pra você.
    Muito boa sua reflexão... Foi pro Twitter esse post!
    Um super feliz aniversário!

    ResponderExcluir
  2. Um texto divertido, espirituoso!Muito bom!As crônicas são mesmo fotografias de época!

    ResponderExcluir

Licença de direitos autorais(leia com atenção). Ao copiar textos, lembre de acrescentar os créditos. Licença Creative Commons
This work is licensed under a Creative Commons Attribution License.