terça-feira, 27 de abril de 2010

BRILHO DESMEDIDO
















Muitas estrelas a brilhar no céu!

Apenas uma ascende diferente.

Orgulhosa e soberba afasta-se da constelação...

Seu novo tracejado

Forma nova paisagem

Feito figura abstrata...

Na penumbra regozija seu poder

Na matutina roga pragas,

Pois seu brilho chega ao fim,

E o escasso tempo terrestre determina:

Nos confins do mundo dos homens,

É chegado o dia!

A ocasião indica que outra estrela rege

Carícia, , energiza, aquece...

Sua sinfonia de luz ecoa no horizonte

Outra era chegará.

No entanto a noite se aproxima novamente.

O olhar aflito focaliza o alto

A constelação ressuscita.

Onde estará a soberba luz desgarrada?

Em algum lugar mais distante

Percorrendo solitária a imensidão

Como ser extasiado,

Admirando seu rosto

No espelho do buraco negro

Chamado, solidão...

JRA (o poeta da verdade)


3 comentários:

  1. Saudações brother,

    Fascinante e muito bem elaborado essa "Poética Cósmica" extraída da tua sabedoria, obrigado por nos presentear.

    Edison Gil

    ResponderExcluir
  2. Bravo, bravíssimo!
    Me arrebatou...

    ResponderExcluir
  3. Giba,
    Diga se interpretei algo do que desejou transmitir.Este texto fala do desejo do ser humano de brilhar, de se destacar e simultaneamente, do isolamento, da solidão, que a "elevação" o "brilho" trazem...e da transitoriedade de todas as coisas, então a época da glória, do brilho, passa e outra estrela surge...Nossa Adorei! Sei lá se interpretei bem, mas senti essa mensagem.Parabéns!

    ResponderExcluir

Licença de direitos autorais(leia com atenção). Ao copiar textos, lembre de acrescentar os créditos. Licença Creative Commons
This work is licensed under a Creative Commons Attribution License.