segunda-feira, 7 de dezembro de 2009

O BAR DO BILO 7º MOMENTO – CENTENÁRIO




















Reta final de campeonato, ou seja, última rodada do brasileirão e a domingueira desponta um sol maravilhoso a determinar que o dia segue firme. Bom, até ai nada de novo, uma vez que o furacão despachou o fogão, depois de uma vitória primorosa no palácio vermelho e preto, e o timeco do Pacheco sofrendo e temendo se integrar a zona dos desesperados, a tal segundona. E por falar em segundona o bar do Bilo como sempre aguardando os clientes fiéis a bater cartão logo cedo, depois do compromisso com o batente. Lembrei que estava de folga e a patroa ao levantar disse:


– Não quero nem ouvir falar em futebol hoje!

Não entendi muito bem a ordem, mas como é a mulher que manda sempre – ainda mais se aproximando do almoço – resolvi não replicar e dar uma alfinetada de leve. Só para recordar a memória dos leitores de plantão, a minha patroa é coxinha branca topetuda, e como o amor é cego, feito pé de atacante na hora do pênalti, segue o bonde.

– Tudo bem, mas quero coxinha no café da manhã e bem frita!

A tal da coxinha estava no freezer juntamente com mais cem , aguardando uma certa comemoração de um tal centenário , do time do Alto da Glória – topo da graça apenas em localidade , pois o elenco há tempos deve e muito para torcida – e a patroa tinha combinado um café após o jogo, como alívio a lembrar o aniversário de fundação do seu clube.Ficou irada com o pedido e após o café da manhã , resolvi passar no bar do Bilo para buscar uma costela , devido a folga no serviço. Cheguei e o Bilo todo sorridente a comemorar a escapulida do tricolor da Vila Capanema da terceira divisão – chegar neste trecho quando o assunto é futebol, é pior que a segundona – e desta maneira entendia perfeitamente a alegria do Bilo paranista. Não esquecendo nunca da preciosidade da casa, a boa e velha caninha Trevisan.

– Bilo manda a prata da casa antes de qualquer coisa, e deixa separado um quilo de costela.
Feito o pedido o Bilo reforçou:

– Zé, meu time agora que firmou o elenco, perde o técnico. Haja paciência com esta diretoria... Coitado do Bilo, mas pensei em silêncio.

– Enquanto o Bilo comemora a permanência na segundona, o traia do Pacheco rói unhas e esquenta a cachola, fazendo conta para não ser rebaixado.

Voltei cambaleante para casa e a costela embaixo do braço, feito embrulho de açougue. A comida na hora certa e na mesa um silêncio vexante, onde somente o barulho do manuseio dos talheres e copos era preponderante, ante a tensão das horas que iriam decidir lágrimas de alegria e tristeza. Percebi que diante da situação, o mais sensato seria assistir ao jogo longe de casa, então liguei pro Pacheco e pro camarada Péricles, mas o celular de ambos só na caixa postal. O bar do Bilo fechado, e os comparsas ausentes, o jeito foi ir pro ambiente da dor, assistir o urubu fazer a lição de casa, todavia já estava escrito o resultado da peleja, pois o Grêmio gaudério não iria perder o jogo , uma vez que o Colorado dos Pampas , se vencesse seria campeão. Mas e o timeco do Pacheco? Onde entra neste chinfrim? Afinal de contas o conto é sobre o centenário coxa! Ou pelo menos parte dele.

Bom, retomemos o assunto (risos).O time do Pacheco também precisava fazer o dever de casa , e como o furacão não é parvo , deixou a bomba na mão do arquirrival alviverde , a presentear a torcida com uma apresentação impecável , diante do tricolor das laranjeiras. Neste instante notei o ponteiro do relógio se aproximando das 17 horas e ao chegar, logo sentei a aguardar. Passado vinte minutos de jogo, o tricolor gaúcho marca primeiro e na tela da TV o aviso de cada gol da rodada marcava o drama do acirrado torneio. Foi então que a informação chegou forte. Um a zero pro Fluminense. Desespero total e por mais que eu seja atleticano de coração, sei o quanto é desastroso ter mais um time paranaense na segundona. Mas enfim, comemorei sem muita relevância. Bola pra lá ,bola pra cá e o Flamengo empata a partida . Termina o primeiro tempo. Na tela da TV a emissora a informar a condição dos rebaixados e do campeão , se as partidas tivessem todas encerradas . Internacional campeão e Botafogo rebaixado. Seria o presente ideal para o tal centenário alviverde, mas o segundo tempo inicia e o sofrimento idem. A minha condição até então era apenas a acompanhar sossegadamente e aguardar o término de cada partida. Lance pra lá, lance pra cá e o Flamengo vira a partida. Termina o espetáculo, urubu campeão brasileiro. Não comerei e então seguia a acompanhar no radinho de pilha de um colega, o andamento do jogo do patoxa. Que situação e diante da dureza, nem um dreher resolveria, mas sabia do empate insuficiente que rebaixaria o timeco do Pacheco.

– Apita o árbitro, fim de jogo no Alto da Glória...

Os dizeres do narrador somavam-se a situação caótica do campo invadido e inúmeros torcedores, num ritual de combate, a buscar uma resposta para o fracasso. O ambiente ferveu e fui a procura do Pacheco, para repassar o meu pesar diante da situação. Mas o traia estava de folga também. Voltei para o lar e no ônibus a mente matutava.

– Do jeito que está a segundona, somente no bicentenário o timeco do Pacheco poderá voltar à elite e presentear a torcida. Mas enquanto isto não acontece o jeito é aguardar a próxima segundona no bar do Bilo, e agüentar a lamúria do Pacheco, com o copo na mão e o talagaço da preciosidade da casa , a acalmar os ânimos .... Dá-lhe, dá-lhe ô!!!!!!


2 comentários:

  1. meu time vai p a Libertadores... e o seu??
    heheheeh...
    bom ver seu ânimo chegando nos eixos... não SUMA!
    beijocas

    ResponderExcluir
  2. Ola, gostaria de fechar parceria com seu blog, com troca de links.
    Poderia adicionar nosso link no seu blog?
    Aguardamos resposta.Parabens pelo site.
    Abraço.
    http://poemasepoesias-blog.blogspot.com/

    ResponderExcluir

Licença de direitos autorais(leia com atenção). Ao copiar textos, lembre de acrescentar os créditos. Licença Creative Commons
This work is licensed under a Creative Commons Attribution License.