domingo, 4 de outubro de 2009

VOLTO















Há tempos não volto.

Volto agora...

Há tempos não corro.

Corro agora.

Há tempos não escrevo!

Escreverei, já!

E, basta à luz irradiar

O céu azul despontar

O sabiá cantar

O filhote bocejar

O cântico motivar...

Que neste momento volto!

Sigo firme

Sigo em frente

Sigo presente.

E se alguém perguntar:

Meu nome é passado repente, futuro presente.

De tempos em tempos

Volto.



JRA (o poeta da verdade).



2 comentários:

  1. Saudações Poeta do tempo,

    Excelente poema, espero que volte sempre para ilustrar esse espaço com suas belas poesias.

    Abraços.
    Sir E.G.

    ResponderExcluir
  2. Caro Poeta

    Não deu para não deixar um comentário. Estar por aqui foi como viajar pelo mundo das palavras.

    Abraço!

    ResponderExcluir

Licença de direitos autorais(leia com atenção). Ao copiar textos, lembre de acrescentar os créditos. Licença Creative Commons
This work is licensed under a Creative Commons Attribution License.