sexta-feira, 24 de março de 2017

MIMOSA SAUDOSA


Fiz algumas mudanças e então resolvi trazer até o topo novamente este texto mui relevante...
-->
O vento derruba, renova os ares e determina o sopro vital para cada ser, denominado na sapiência do homem moderno. A chuva arrasta, purifica e supre a sede de existência. De mãos dadas o vento e a chuva chegam. Ontem soprou forte nas paragens do sul e ao chegar da lida no ambiente da dor – mesmo ante a noticia recebida via telefone – os olhos não queriam aceitar a queda do arvoredo ilustre, que presenteou os moradores do terreno com seus frutos durante anos. Por diversas regiões o nome surge para apelidar a planta, mas é peculiar daqui chamá-la de “Mimosa”.
Foi ensinado de berço e assim seguiu. O tronco calejado pela ação de parasitas dos mais diversos – ainda que diminuta escora trouxesse com força os nutrientes do solo dividido, entre o gramado e o concreto da calçada – determinava o verde para as poucas folhas existentes na copada do ser decrépito. Os anos como sempre se tornam segundos, ou até minutos ante os fatos, e calcular naquele momento a existência da planta, seria como mensurar os grãos de areia do leito do rio. Apenas ocorria o apontamento e o meu devaneio a seguir e detalhar o agito dos guris, com as calças confeccionadas na máquina de costura Singer, onde a saudosa ascendente fazia com carinho, e na passagem do mês de maio, a abrir portas para o junho divisor do ano, os frutos da mimoseira brilhavam com o orvalho, a juntar-se a luz potente do matutino sol. O maduro fruto trazia a cor predominante – entre o amarelo e a laranja – e mesmo na fartura os galhos agüentavam firme a prosperidade da planta a encantar.
O gosto é indescritível, pois o lambuzo do quero mais nunca se preocupou com este detalhe. O interessante que mesmo no mais rigoroso inverno, a geada não danificava o fruto, e no mistério que a natureza determina ao homem, que é ela que sabe o detalhe dos momentos, o tom do laranja encontrava-se com o vermelho, a escurecer delicadamente e adocicar ainda mais a obra de arte divina. As edificações erguidas no terreno são precoces, mas a saudade não. A turbulência do tempo indicava um vento atípico, e mesmo no céu pedrento a se formar, seria chuva ou vento, no ditado perdido do observar. Foi assim que o sopro da madrugada derrubou um marco. Ah, mimosa saudosa, quanta lembrança que há... Naquela época de fartura sanhaços e saíras beliscavam aos poucos os frutos dos galhos, que ficavam fora do alcance das varas articuladas com ganchos para colher. Tentativas vãs e os pássaros alegres a nutrirem-se do caldo com o bico apropriado – não em forma de gancho – mas de tal maneira que lentamente saboreavam o sumo precioso da estação. No ano que passou a abastança já não refletia como antes, e os poucos frutos já pertenciam aos sabiás de plantão. Cadê o sanhaço? Cadê a saíra? Os pássaros eram outros e até o tico-tico aproveitava a distância do sabiá, e atomizava-se do resto oco, que a casca ainda retinha um ou outro gomo como fatia de pão. As trepadeiras não ousavam sufocar os galhos, mas estavam em grande quantidade presente no arvoredo. Sonolento e cansado encostei a magra – minha bicicleta – ao lado da casa da genitora, e passo a passo aproximei a avistar o acontecido.
Bem na divisa do caule com o solo a quebra acontecera. Um pequeno trecho ainda verde indicava que ali as raízes fortes traziam os nutrientes, pois o restante além de podre, carcomido e seco, não colaboravam a dar sustento ao ser. Era uma figura estranha tombada, e por incrível que fosse parecia ter vida. Era muito diferente do meliante que a pouco vira no ambiente da dor fenecido, e crivado de projeteis da arma que sentencia sempre o desfecho do kaos urbano. Tentei erguê-la. Não consegui. A força sumiu. Talvez pelo cansaço, mas nunca pela falta de força de vontade. E o meliante? Porque ninguém ergueu?No toque - da mão direita no tronco da mimosa e depois a mão esquerda - inclinei o meu tronco e observava a copada de um ângulo adverso. Já de joelhos notava a uniformidade e o desgaste. Levantei e andando no gramado cheguei mais próximo ainda, e o galho que achei nunca poder tocar, a mão levemente sentia as folhas ainda verdes. Que espanto passou na mente a subir no devaneio do presente e assim circulei toda a planta. Desci para o lar, mas antes de abrir a porta, tirei uma foto com o celular, alojando na memória a figura a detalhar. No microondas o horário assinalava 08h10min do ante meridiem e a fome sumira. Busquei minha caneca particular e após adoçar o café com leite padrão, deitei. Um rápido cochilo e um sonho veloz trouxeram outro ambiente. Ali o espírito caminhava ao encontro de uma semente a plantar a memória de uma mania típica, que o guri em mim nunca esquecera. Era a coleta de três folhas pela matriarca a benzer a ocasião, e na fé determinar que a fúria do tempo de céu pedrento, teria que ir para alto mar longe de qualquer moradia e serenar. Após o ato a cuia de cabaça aguardava mais folhas da mimosa saudosa para somarem-se as demais ervas do chimarrão matutino.
De repente vozes entraram em sintonia ao mundo dos sonhos, e sonolento os olhos preguiçosos abriam-se pouco a pouco. Calcei os chinelos pretos, e depois de lavar o rosto segui até a porta de casa, e abandonei-os sem perceber . Algo estava faltando. Sabia que a presença do arvoredo era a percepção. Subi e apenas ao lado via o tronco uniforme divido em dois, contrastando com a imagem alojada no meu celular. Os demais vestígios sumiram e a marca da quebra estava ali. As folhas verdes que não alcançava e tocava diante da queda ao chão da planta momentos antes, mostraram a importância de sonhar. Neste trecho notei meus pés desnudos e aumentando os passos segui até a frente do terreno. No muro a debruçar pensante fiquei e observei a outra mimoseira lutando para se manter em pé, no rápido gesto com a cabeça a virar-se. Qual semente fora plantada primeiro? Pergunta sem sentido e mesmo no fruto introvertido do verde esperança que olhei nesta planta, percebi que a outra não tinha. Por quê? Inúmeras questões nortearam minha mente a lembrar, e então aproximei, e colhi três folhas da mimoseira presente. Naquele gesto entendia os motivos dos atos peculiares das gerações e já próximo do “post meridiem” indaguei.
– Não é pesadelo a queda.
– Não é sonho as folhas que coleto.
– Mas é forte a saudade em meu peito, da mulher que nas chuvas de março nascera, e hoje deixa suas sementes como folhas benzidas a seguir seus ensinamentos...

3 comentários:

  1. que coincidência!

    a erva de chimarrão que eu mais gosto tem mimosa (mandarina) no meio!

    faz tempo q eu não tomo... saudades!

    ResponderExcluir
  2. Tanta dor ...entendi perfeitamente o que descreveu..escrevi um texto enorme...e são aquelas coisas do destino..ao tentar visualizar sumiu...então não era para eu abrir uma caixa...não..não..não..não estou confundindo não...sabes que não...tadinha da mimosa!!!

    ResponderExcluir
  3. Obrigado Ana Andrade, Nina! Em relação ao texto que perdeu, o importante foi o ato de escrever e tirar de dentro. Abraços!

    ResponderExcluir

Licença de direitos autorais(leia com atenção). Ao copiar textos, lembre de acrescentar os créditos. Licença Creative Commons
This work is licensed under a Creative Commons Attribution License.