sábado, 7 de março de 2009

AMERICANO



Quinta-feira de muito calor e o pulsar nunca empaca na condição da trégua necessária. A noite de trabalho no ambiente da dor é assim. E ante os dramas urbanos vale lembrar que na prenuncia dos ponteiros do analógico da recepção, é no momento da zero hora, ou seja, o divisor de um novo dia que a força da violência está presente. Mas não! Desta vez os ponteiros da bestialidade se adiantaram e a chacina estava em andamento. Um a um os corpos se aglomeravam na sala de emergência e o motivo se chama “a lei do mais forte”.

Toda noite é o ritual do FAF a rigor. Mas nas noites que a lua cresce sua fase a se aproximar da cheia este processo é mais claro. Bom, vamos recuar um ponto no tempo. Acordei no habitual das dez da manhã e os compromissos bancários não esperam nunca. Desta maneira peguei o cartão magnético – sair com dinheiro na mão é pedir pra levar chumbo – e no amontoado de faturas que carregava aos poucos via o volume diminuir por cada trecho da desova do capital suado de cada dia. Pelo menos esta é a rotina enfrentada sempre no quinto dia útil de cada mês.

O sol a aquecer se aproximava do meio-dia e o marcador digital de temperatura da Praça Tiradentes apontava 36 graus.Neste trecho a fome assolava e na porta de entrada de um dos bancos que aguardava uma fatia do bolo capital, lá se encontrava uma mulher a pedir:

– Hei moço! Arruma-me 15 centavos na saída! Não portava dinheiro algum em espécie, mas sim o cartão eletrônico e no atropelo a seguir e enfrentar a fila padrão da instituição, falei rapidamente.

– Ta bom. Subi as escadas – lógico depois de superar a porta magnética – e como sempre vou liso, leve e solto com meus chinelos para não ter problemas com o detector de metais. A fila tava grande e a espera seria o primeiro drama a superar antes da obrigação com o batente. Fila de banco – alem da sua impaciência em ficar em pé – é notado os tipos mais estranhos possíveis e assim um individuo subia e em tom alto e claro esbravejava no celular em relação a rotinas financeiras e administrativas , como se fosse algo a determinar a sua importância no meio de pessoas estarrecidas com a fila. E o individuo continuou. Terminado o show do tipo uma mulher ao lado ficara e no questionamento do tal escutou o que devia.

– Minha senhora está na fila? A mulher na lata determinou a fala de muitos.

– O senhor berrando no meu ouvido, não há como!

– Sim estou na fila!

Valeu o dia a espantar o fulano e sem jeito ao atender novamente o celular se retirou de mansinho. Como estava na frente da mulher quase sobrou pra mim, mas com um pouco de jogo de cintura escutei e concordei.

– Ninguém fala nada!

– O homem a berrar no meu ouvido é pior que esta fila!

Conversamos depois do ato e a simpatia da mulher se fez presente e quando me dei conta chegou minha vez. Paguei, desci e na saída do banco não recordava mais da mulher pedinte, mas logo abaixo via uma viatura da militar a abordá-la. Logo matutei:

– A mulher estava apenas na frente do banco a pedir!

– Imagina se estivesse dentro!

Bom, passado mais este tópico de uma cidade que não pára nunca e dita à lei do mais forte, fui até o bar do triangulo sanar a dor no meu estomago reclamão. O sanduíche prata da casa aguardava-me e sem delongas degustei da maneira que sempre gosto “bem devagar” a apreciar o prato vazio no termino da investida. Que paz se propagou e com as energias restabelecidas a noitada era esperada. Passei novamente na praça e a notar o digital – alem do horário – via a temperatura a despencar um grau, ou seja, fazia 35 graus.

Não colaborou muito e o calor firme, forte e rígido tirava gota a gota do corpo cansado. Uma nuvem passageira acompanhou o processo rapidamente dos passos a cruzar a praça e na frente da catedral metropolitana o sinal de respeito era feito. Embarquei no coletivo e após chegar ao lar, fui à escola buscar minha cria. Lá a situação anda complicada também. É a difícil adaptação da adolescência e impera a lei do mais forte. Os reclames do meu guri são diários, mas como a instituição interage ante os fatos?

Salvem-se quem puder, pois a escola faz sua parte e o respeito deve vir do teto do precoce homem que dia a dia se enquadra nas estatísticas da violência. Voltamos rapidamente e conectado na minha magra – bicicleta – o ganha-pão se atomizava a cada quilometro vencido na pedalada. O sol se recolhia aos poucos, mas o calor não e com o uniforme novo – um colete e uma calça social – mais parecia o garçom simpático do bar do triangulo. E no motejo da turma lá ia a desfilar pelos corredores da dor.

Neste instante o soldado militar de plantão copiava do radio comunicador o andamento do tiroteio. Na frenagem do primeiro camburão ao sair para coletar os dados avistava ao alto o olhar apreensivo da lua em sua fase crescente. Três meliantes chegavam ante a primeira investida. O horário de momento dez da noite e na virada dos ponteiros o novo dia proclamava que o olhar da lua tinha uma razão para a situação. Mais três meliantes chegaram e a lei do mais forte julgou a necessidade do respeito.

Os comentários traziam a rivalidade de dois grupos para ditar o comando da área e doze homens fortemente armados peitaram a militar e somente com apoio conseguiram sucesso na operação. O corre-corre seguiu a noite e nos primeiros passos que a madrugada se despedia a lua do olhar nervoso se despedia. O sol escondido pelos prédios pouco a pouco reinava no alto e a chegada ao lar era necessária.

Neste baque do cansaço do corpo a fome apertava a necessidade. Lembrei que tinha que fazer mais alguns pagamentos, mas a condição de saborear o sanduíche americano não é sempre que se pode e por fim a lei do mais forte se fez presente na falta de capital neste chinfrim urbano que passa vários trechos de dor, descaso e revolta...



Um comentário:

  1. o que é sanduíche americano? misto quente?

    ow, aprende a usar internet banking, p**ra! ou então pague as contas na lotérica, no super, na drogaria!... aqui pode-se pagar em qlqr um desses lugares qlqr conta, desde q não esteja vencida.

    esse post de hoje foi mto reclamão: é a fila do banco, é o calor, é o guri... prefiro qdo vc fala de coisas bonitas!

    bj

    ResponderExcluir

Licença de direitos autorais(leia com atenção). Ao copiar textos, lembre de acrescentar os créditos. Licença Creative Commons
This work is licensed under a Creative Commons Attribution License.