sexta-feira, 13 de fevereiro de 2009

A MESA E O BOLO



O bolo foi dividido. Quem irá receber o maior pedaço? Depende da divisão, pois o individuo o fez de tamanhos iguais e escolher é uma questão de tempo até o ultimo pedaço ser ofertado na mesa dos convidados.

Pedalando pela passada firme do pneu da minha magra no asfalto quente do meio-dia um pensamento surgiu e a pretensão de anotar foi travada por não ter a folha necessária para a ocasião.A consternação novamente tomou conta do ser e ao chegar ao destino do compromisso com o batente o momento passara, mas a idéia não. Naquele instante um bolo desmedido formou se na visão que tive de uma mesa da mesma magnitude ou até maior e os convidados se acumulavam numa dimensão que o olhar não conseguia mensurar.O que significava? Ao vestir o jaleco do esforço já no ambiente da dor um companheiro mencionava um reclame a outrem. – Como é difícil manter duas atividades, ainda mais da maneira que está o clima aqui! A exaustão ira dominar e o desafio serão o compromisso na próxima jornada de afazeres.Ouvi, calei e ao fechar os botões do jaleco verde que desbotado já está à soma deste novo momento apertou ainda mais o anseio de escrever. Estava diante dos convidados e o bolo da visão que tive no caminho era os diversos ofícios que uma única pessoa consegue ocupar sem dividir. Mas e a mesa? Que mesa seria esta, uma vez que o convidado mesquinho expulsara os demais? Aqui era notado um pecado capital “avareza”.Cometer a dita iniqüidade é privar uma necessidade, um vicio da condição de ser ilimitado quando o assunto é individualismo. Querer é poder, sentenciar e ocupar o lugar mais cobiçado da mesa. Pelo menos esta mesa somente é posta diante da cadeira de ouro como dono de um trono rompante. Naquele instante o ritmo do ambiente da dor apertava freneticamente com o cliente conservador e cético que circundam numa constante. Bom, vamos entrar na dança! Sabia que o horário vespertino não condiz com a noitada que já me habituei e adaptar-se era o desafio.Ali vi, presenciei e repassei a força do dono do trono de ouro. Um a um o bem aventurado fazia a promoção de quem ele bem entendia e no fim notava que o bolo mudava de padrões e a mesa nada de aparecer. – Fulano esta tem a preferência, confeccione a ficha e mande imediatamente entrar. Mas e os demais que já estão a mais de quatro horas a esperar? – Isto não é problema meu e sim do sistema! Notei um sistema complexo ser diminuto diante da força do bem aventurado e sem forças cada aleive da minha fala tentava atenuar o povo conservador. Outra duvida chegou de imediato. Mas se o problema é do sistema, porque ele não abandona o pedaço deste bolo? Ou melhor, dá lugar na mesa para fazer valer a fraternidade e a assistência ao enfermo? A tudo isto chegava a conclusão que a estabilidade do montante do final de mês era a razão e um novo pecado capital surgia “gula”.Mas o companheiro que mencionara a sua dificuldade, poderia partilhar da mesma condição? Agora o conflito aumentou e manter o “status quo” estava em jogo. Em tempos de crises pessoais, profissionais e de fé o medo perpetua. Mas alguém deve ser responsável peça joça ou não?! O ambiente é rico e propicio aos pecados e ali chegava com muita força mais um “preguiça”. Notava se que o bolo tinha somente sete pedaços e a mesa não era redonda. Os convidados eram centenas de anônimos e os donos dos lugares de ouro não convêm nomear...Ali a visão era real, tosca e deprimente e o bolo da mesa posta – mesmo diante do calor que bateu na minha cachola durante a pedalada – não era desatino de maneira alguma, mas sim a condição do ser que divide a sua maneira os pedaços do bolo material.


Um comentário:

  1. prefiro um pedaço de bolo da "tia eliana" (uma lanchonete bacana q fica do lado da minha casa)... rs rs rs
    beijos

    ResponderExcluir

Licença de direitos autorais(leia com atenção). Ao copiar textos, lembre de acrescentar os créditos. Licença Creative Commons
This work is licensed under a Creative Commons Attribution License.