sábado, 31 de janeiro de 2009

QUERO-QUERO

Tua cria singela e elegante
Confia no grito de liberdade
Sentido com orgulho e força
Do coração repleto de serenata.

Balada esta do passado
Mantendo firme o alento
De vias amáveis e joviais
No trato com o achegado.

Hoje a chuva fina cai no plano
Da ninhada feita no estéril piso
De um barro preto molhado e duro.

Mas e a terra necessária?
É a compleição dos benfeitores
Zelando a todo o momento de ti...


Obs. - este maravilhoso soneto nasceu diante da visão que tive do par de quero-queros que trouxeram seus 3 filhotes para a minha presença, após o assoviou que deixei marcado no bicho robusto de um conto que ha... Minha noitada de sábado (04/10/2008) foi mágica e libertaria depois de presenciar o ato, mesmo diante do sofrido comodismo que assola os indivíduos que buscam o ambiente da dor por diversos motivos a todo o momento!

2 comentários:

  1. aqui em bh existem muitos tipos de pássaros. sempre q eu os vejo na pracinha eu me lembro de vc...
    beijos

    ResponderExcluir
  2. Oi amigo poeta...adorei o post.
    Na verdade, sou suspeita em falar...adoro pássaros, eles aspiram uma liberdade que ainda quero alcançar.
    Sinto sua falta em meu armazém..passe sempre que tiver tempo viu!

    Boa semana pra você.

    Beijos.

    P.S.: Ah tem meme pra você lá...não sei se gosta, só te indiquei porque faz parte das regras, ok?

    ResponderExcluir

Licença de direitos autorais(leia com atenção). Ao copiar textos, lembre de acrescentar os créditos. Licença Creative Commons
This work is licensed under a Creative Commons Attribution License.