terça-feira, 28 de outubro de 2008

A CAMINHADA DA ESCRITA


“O dicionário é o ombro direito do escritor diante dos caminhos da escrita para decifrar o entendimento das palavras e no seguir do curso da sua obra utilize-o sem medo, por ser a ferramenta dos atilados e não dos acéfalos”.


Através deste pensamento algo surgiu claro como esta manhã de domingo que trás o sol a bater firme e forte na minha porta. Então de imediato abri a porta para sentir a claridade adentrar no recinto hospitaleiro que deixo todo aquele apreciar a hospitalidade do diletante a erguer sua obra. Mas algo ficou claro quando o calor aqueceu minha mente e coração diante de uma pergunta. Qual ferramenta é necessária para manter-se ativo no mundo das palavras?Matutei e esquentei por demais a cachola e então surgiu algo depois que revirei o quarto da minha semente bruta “meu filho” e achei o pai das palavras o “dicionário”. Fiquei muito feliz e a cada sinônimo achava o entendimento do ditado de cada escritor que acompanho tanto pelo jornal, livros e o virtual a trazer uma palavra nova para o meu vocabulário .Emocionado por demais entendi que deveria seguir esta fala para os mais variados cantos que ensinam a arte da escrita, pois o artigo de luxo “o livro” é a única forma de perpetuar o sacrifício de cada levante manuscrito com orgulho pelo autor ou melhor escritor que se espalha imensamente pelo país .Mas poucos privilegiados conseguem achá-los diante da dificuldade que é escrever e publicar. Algo a mais me rodeou a alegar: O virtual está ai! Utilize-o! Achei que estes dois pontos de partida fossem a verdade, mas não é. Há tempos vejo inúmeras pérolas espalhadas pelo virtual e somente diante dos bem aventurados que constrói “antologias” para coletar estas jóias do mar das palavras que consigo entender que o virtual é apenas o imediato e assim uma obra a mais difundida com a esperança que alguém leia, fica perdida no fundo do oceano da tecnologia. Todos que se aventurarem a ler este trecho deste diletante de uma canção dolorida irão entender que o sujeito é dramático. Será? Falar a verdade por si é um drama e então o titulo de “o poeta da verdade” nunca é bem aceito e visto pelas paragens do virtual. Mas e no livro? Como ficaria? Ficaria perdido até achar um a mais a ler e tentar entender. Criticar o virtual não é o entendimento deste comentário, mas sim a esperança de abrir um espaço importante para apenas mostrar uma parte das obras de arte da literatura brasileira. Pois a cada novo escritor que surge o “passado vivo” das referencias é necessário e diante disto é bom lembrar “naqueles tempos o virtual era nulo” e escrever a base de caneta e folha de papel era um desafio gigantesco. E mesmo depois que a maquina de datilografia chegou, apenas apressou os dedos a ditar as idéias da inspiração para seguirem perpetuadas em livro. Mas o hoje trouxe uma fonte poderosa para detalhar as três condições de uma pessoa “a escrita” , “a fala” e “a imagem“ e com isso um exercito surge forte . Mas isto é certo? Lembro de um trecho do meu texto “a obra de um pedreiro” onde meu falecido avô comentava nos seus últimos dias a difícil condição de ter um pedreiro apto e assim comento: Quantos escritores estão aptos? Pergunto isto pois minha caminhada na escrita nunca foi fácil e somente com muito amor e paixão fui erguendo este caminho dolorido, pois ter lucro neste campo de trabalho é a longo prazo e muitos desistente no meio da peleja por saber que escrevem com profusão mas a ação fica nula em determinados momentos . Por quê ? Não há mecanismos de incentivo e somente quando os projetos aparecem nos convites de participação que sabemos o peso no bolso para poder concentrar com força todo um trabalho ... Bom! Dou um pause de momento para dizer o seguinte: - Você que esta correndo atrás do seu sonho se orgulhe e mostre através de palestras para as novas gerações a sua estrada dolorida na caminhada da escrita para determinar o entendimento que o profissional forte em cada segmento deve lembrar como conquistou e resgatou o orgulho de cada crescimento para que os demais sigam com fé e esperança este exemplo ...

“Sou salmista de coração e como diletante vou pelo virtual a mostrar as minhas três condições , pois a quarta não digo pra ninguém porque descobri HOJE... fiquem com DEUS e avante sempre quando o assunto for a “SUA OBRA” JRA (o poeta da verdade). Salmo 90 e salmo 79.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Licença de direitos autorais(leia com atenção). Ao copiar textos, lembre de acrescentar os créditos. Licença Creative Commons
This work is licensed under a Creative Commons Attribution License.