sexta-feira, 12 de setembro de 2008

IMPULSOS MODERNOS


Ah como é bom observar a natureza, pois o dia todo um canário terra cerca meu lar a cantar fervorosamente, mesmo com a penugem precoce que abriga seu corpo. Digo isto, pois o canário da terra necessita do amarelo gentil e do laranja convidativo pra crescer e desta forma começar um canto diferente. Este canto vagaroso e precoce é os primeiros passos e quando chegar à etapa decisiva, o estalado do canto tem que ser preciso para chamar a fêmea para a nova semente surgir. Sei que meu canário está no caminho certo e fico feliz a me deliciar com seu canto, mesmo precoce, mas alegre a demonstrar ao seu ouvinte assíduo que está presente. Bom então vai lá! Sai pela manha, lógico após levar meu guri para escola, pois temos que estar presentes a observar nossos filhos, ainda mais numa cidade que cresce desproporcionalmente ao padrão urbano que há tempos está ultrapassado e nada motiva isto a mudar. Bom!Passado este devaneio de momento, voltei pra casa e fui observar os meus vencimentos e compromissos que se acumulam em minha fiel agenda. Notei que tinha uma trajetória longa a correr atrás do montante chamado “capital” para não ter minhas contas correntes glosadas por atraso com o mecanismo financeiro ativo deste país que não pára. Mas a caminhada seria árdua e resolvi observar os acontecimentos políticos, para ver como anda o perfil, não do povo, mas sim dos candidatos. Passei numa barraquinha que não me recordo o nome do candidato, senão vão achar que sou cabo eleitoral daí o meu texto fica comprometido e assim questionei-lhe qual a proposta para a escrita e a leitura para nossa cidade. Vagamente ele como político nato, disse um monte de palavras sem sentido e nexo e desta maneira obtive a resposta doída, como um tapa na cara de um sofredor diletante que corre dia após dia a mostrar sua arte dolorida. Isto me lembrou Kafka e o artista da fome de momento, pois tenho neste pensador o meu embasamento a detalhar o meu pensar ao escrever e pensei comigo mesmo. – Ih! Este está perdido no espetáculo que é o palco eleitoral diante do povo conservador de uma grande cidade. Passado mais este devaneio vi algo que chamou e muito a atenção. Uma campanha que também não vou mencionar para não comprometer o texto onde a busca da imagem limpa é fundamental para o sujeito ingressar com o crediário em dia na vida política. Sai contente, mas os sujeitos estavam espalhando a semente no lugar errado e novamente lembrei-me de uma referencia forte deste diletante em relação ao cenário nacional da escrita “Rubem Alves”. Rubem Alves para mim é mestre e assim lembrei-me de um trecho do livro O que é religião que dito com a boca cheia para noção dos bem aventurados que passem pelo meu blog a acompanhar mais este momento. Esta lembrança menciona um trecho onde um poço de rãs que sedimenta o discurso na comunidade conservadora é abalado por um pintassilgo que apenas tenta alegrar o povão cantando e acaba vira ndo meliante e mártir da noite pro dia! Então falei no meu silencio poderoso. – Pô ! Onde estou? Será um poço sem fundo? Pois de nada adianta fazer uma campanha, sem os universitários presentes. Lembrei do meu amigão Paulão que rala um monte a correr dia a após dia na carreira sofrida do canudo na mão. Mas realmente isto tudo foi apenas uma pincelada e novamente lembrei-me do meu canário da terra. – Continue firme meu canário, pois sei que você está cantando no fundo do quintal certo! Quase virei pagodeiro e isto pra mim é um tormento, por ser roqueiro de sangue agitado, mas devemos respeitar, pois nosso país é rico em cultura, apenas cultura... Mas os demais poetas alijados tão lutando! Ops! Fugi do assunto! Cala-te dedo e volta pro assunto certo por.. . E então vi o quanto os impulsos modernos regem os corações pulsantes desta nação e ao adentrar e falar com meu gerente vi o brilho no seu olhar com o retorno de um email que estava perdido no agradecimento que deixei em palavras. Bom! Resolvi tudo e tinha que retornar pro meu lar e a fome assolava o meu ser e ao chegar em casa lá estava o meu canário da terra todo faceiro a cantar. Meus olhos brilhavam intensamente e após o abraço apertado do meu guri que amo tanto, lembrei que mais uma noite de serviço estava por vir e assim observar um outro tipo de impulso que se mantêm vivo, dolorido e ativo a esperar “o moderno “ aparecer ...


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Licença de direitos autorais(leia com atenção). Ao copiar textos, lembre de acrescentar os créditos. Licença Creative Commons
This work is licensed under a Creative Commons Attribution License.